Mensagem

15 de Maio - Dia Internacional da Família

Se a APFN afirmar, com total conhecimento de causa, que a Família – célula vital da sociedade – ainda continua a ser o melhor e o mais desejável local para se nascer, crescer e morrer, ninguém certamente porá em dúvida, por mais excepções à regra que conheça.

Se a APFN declarar, com não menos segurança, que toda a Família, mais tarde ou mais cedo, se tem de enfrentar com problemas reais, frequentemente de grande dificuldade, também ninguém duvidará.

Mas se a APFN, recorrendo a um estudo realizado há algum tempo por uma jornalista canadiana, disser que a grande diferença entre “família saudável”, ou funcional, e família disfuncional, começa exactamente na forma como ambas enfrentam os seus problemas, aí talvez nem todos concordem.

E contudo, o estudo comparativo sobre “as boas práticas” das famílias saudáveis, a que a APFN teve acesso há algum tempo, revela exactamente que, não havendo famílias sem problemas, pois eles surgem inevitavelmente por diferentes causas ao longo do chamado “ciclo de vida da família”, a família saudável distingue-se pelas seguintes “boas práticas”:

  1. Pede ajuda quando tem problemas, não desistindo do seu projecto às primeiras dificuldades e com vontade de ultrapassar as crises, donde retira novas energias;

  2. Procura manter sempre o diálogo e a escuta – a comunicação – entre os seus membros;

  3. Não deixa nenhum elemento de fora, pois tem espírito de grupo e vê-se como um todo, em que todos se ajudam segundo as necessidades e capacidades de cada um;

  4. Respeitam-se uns aos outros;

  5. Respeitam o direito de cada um ao seu espaço e intimidade;

  6. Têm prazer em estar juntos, brincar ou jogar em família, em passar os seus tempos livres juntos, em celebrar datas marcantes e aniversários, e fazerem festas;

  7. Fazem regularmente refeições à mesa em família e conversam com televisão desligada;

  8. Contam histórias e tradições de família e partilham segredos do passado familiar;

  9. Orgulham-se do nome de família, das suas origens e raízes, bem como das dificuldades ultrapassadas pelos seus avós e antepassados;

  10. Têm sentido de espiritualidade, mesmo quando nem todos praticam uma religião;

  11. Partilham dinheiro e poder, funções e responsabilidades, entreajudando-se sem cobrar por isso;

  12. Revelam coesão, lealdade, tolerância, flexibilidade, perseverança, optimismo e empatia – sinais de Inteligência Emocional.

Neste DIA INTERNACIONAL DA FAMÍLIA, num tempo em que no mundo ocidental onde vivemos, tantos já não parecem acreditar na Família, confundindo-a, descaracterizando-a e fragilizando-a cada vez mais, até do ponto de vista legal e fiscal, a APFN envia a todos estas palavras de ânimo e esperança, convidando as famílias, felizes ou em dificuldades, a reflectirem um pouco sobre estas “boas práticas”, com a profunda convicção de que um país saudável, feliz e produtivo só existe quando a sociedade que o compõe é igualmente saudável, feliz e empenhada no seu trabalho, o que só se consegue se as famílias que educam as novas gerações forem saudavelmente coesas, responsáveis, alegres e lutadoras.

8 de Maio de 2008

APFN - Associação Portuguesa de Famílias Numerosas 

Rua 3A à Urbanização da Ameixoeira
Área 3, Lote 1, Loja A
1750-084 Lisboa

Tel: 217 552 603 - 917 219 197
Fax: 217 552 604 

Para saber mais:

 

Se tem 3 ou mais filhos, concorda com os nossos Princípios e Estatutos e deseja ser sócio,  já pode inscrever- se pela internet