Português | English
ELFAC - European Large Families Confederation Junte-se a nós no facebook Envie-nos um email
 
A ASSOCIAÇÃO
ASSOCIAR-SE
FAQ'S
CONTACTOS
LINKS
ÁREA DE SÓCIOS
ÁREA DE EMPRESAS
RECOMENDAR A APFN
BOLETIM
Desejo receber a Newsletter da APFN no meu endereço de email:

European

Large Families

Confederation


 

Plano + Família
APFN, Mensagem "Dia da Mãe - 04 de Março 2014" publicado a 02/05/2014

logotipo APFN

MENSAGEM

DIA DA MÃE

04.MAIO.2014

 

Naquele momento nada mudou muito. Afinal, há nove meses que o vínhamos preparando ou melhor, há anos, desde que nos casámos, ou mesmo antes, porque no namoro também procurava em ti uma boa mãe para os nossos filhos. Claro que foi uma enorme felicidade, como o foi antes o teste de gravidez, a primeira ecografia, cada uma das ecografias seguintes. Como o foram tantos momentos mais tarde: a primeira mamada, a primeira fralda, o primeiro banho, tudo era novo e lúcido. Acho que foi a única altura em que tive verdadeira inveja de ti, por tudo o que sentias e eu acompanhava, por ficares na maternidade enquanto eu tinha de me cingir às visitas, pela intimidade de dares de mamar. Era uma inveja saudável, entenda-se, foi uma enorme felicidade acompanhar-vos em todos aqueles momentos e nos outros que se seguiram, nos outros partos, quando já conhecíamos as enfermeiras e elas a nós, quando já ninguém se espantava que lesse para ti entre contracções, quando eras tu que orientavas as outras mães puérperas com conselhos muitas vezes idênticos aos que tinhas recebido antes – ou gostavas de ter recebido.

Criá-los tem sido uma enorme aventura, claro. Com enormes alegrias, muitas dúvidas e momentos de desespero, a maior parte deles entre as 4 e as 5 da manhã. Repito: com eles tudo é lúcido e novo. Cada um deles. O primeiro sorriso, a primeira noite de sono completa, a primeira papa, as primeiras palavras, os primeiros passos, as primeiras letras. E os outros desafios, mais velhos, mais complexos, mas tantas vezes semelhantes a estes. Em tudo isto te tens revelado, nos temos revelado. Muitas vezes fazes as coisas diferentes do que eu faria e aprendemos todos com isso: completamo-nos nas diferenças, reforçamo-nos nas parecenças. Apoiamo-nos, porque é isso que as famílias fazem bem, e é isso que queremos que eles saibam fazer entre si. Apoiamo-nos mutuamente, porque não há outro equilíbrio possível.

Juntos criámos vida e juntos aceitámos a morte. A morte dos que nos são próximos e que nos faltam e os sinais lentos e silenciosos com que vamos envelhecendo. Também aqui, os nossos filhos foram luz e esperança, motivo e fonte de alegria: por eles ultrapassamos tudo porque queremos que eles ultrapassem tudo e porque qualquer que seja a tristeza, a sua existência faz com que tenhamos muito, muito mais a agradecer.

O teu corpo traz marcas dos nossos filhos. Da gravidez, da amamentação, do tempo que por nós passou enquanto os criamos. É preciso que te diga, ao menos um dia, porque ouvimos tantas vozes a falar de perfeição: cada uma dessa marcas fala de uma história que é a nossa. São símbolos de um código que é só nosso e que nos aproxima no mesmo passado e na mesma esperança. A de vivermos, juntos, uma vida plena, e de a deixarmos aos nossos filhos, esperando um dia a felicidade dos netos.

Texto: Família Cardoso Dias (pai)

Foto: Família Bernardino Teixeira

Neste Dia da Mãe, agradecemos a todas as Mães o Dom da Vida!

APFN - Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Lisboa, 2 de Maio de 2014

Rua José Calheiros,15
1400-229 Lisboa

Tel: 217 552 603 - 919 877 902 - 917 219 197
Fax: 217 552 604