Português | English
ELFAC - European Large Families Confederation Junte-se a nós no facebook Envie-nos um email
 
A ASSOCIAÇÃO
ASSOCIAR-SE
FAQ'S
CONTACTOS
LINKS
ÁREA DE SÓCIOS
ÁREA DE EMPRESAS
RECOMENDAR A APFN
BOLETIM
Desejo receber a Newsletter da APFN no meu endereço de email:

European

Large Families

Confederation


 

Plano + Família
Comunicado, "Nota sobre o anteprojecto da reforma do IRS " publicado a 12/09/2014

logotipo APFN

COMUNICADO

NOTA SOBRE O ANTEPROJETO

DA REFORMA DO IRS

 

A proposta da Comissão para a reforma do IRS apresenta como um dos eixos principais do seu mandato a proteção das famílias com filhos a cargo – o garante do futuro –.

Esta opção contribui para remover as penalizações que atualmente recaem sobre as famílias com filhos e, em particular, sobre as mais numerosas. É também um sinal importante no sentido de reconhecer que a dimensão da família tem impacto na sua capacidade contributiva.

De facto, como afirma a Comissão, as “correções ao imposto, por motivo dos encargos familiares não se qualificam como benefícios fiscais” mas “correspondem a um tratamento o mais equitativo possível”.

Neste contexto, algumas medidas merecem um comentário destacado.

A introdução de um Quociente familiar, em substituição do atual quociente conjugal, representa uma alteração de princípio essencial que concretiza o reconhecimento de cada filho, da sua importância para a família e para o país, e do aumento de encargos que lhe está associado.

No entanto, a implementação deste princípio deve considerar que o processo que permite acolher mais filhos sem que o rendimento se altere resulta de alterações dos padrões de consumo das famílias – em particular dos pais e das mães – à medida que vão tendo mais filhos e não de “economias de escala” como refere a Comissão. O poder de compra é redirecionado para as necessidades dos filhos.

A APFN defende que cada filho, cada pessoa, deve contar como um cidadão como sinal do seu valor social e do reconhecimento de idêntica dignidade, e que este princípio deve estar refletido no cálculo do Quociente familiar, considerando que cada filho vale 1.

Também neste sentido, a APFN considera essencial que o limite para o Quociente familiar seja definido por pessoa, para não anular o seu efeito sobre as famílias numerosas.

É também positiva a inclusão, no cálculo deste quociente, dos filhos até aos 25 anos que ainda não possuam rendimento, como resposta a uma realidade que se tem efetivamente generalizado de desemprego jovem; mas seria desejável que o mesmo acontecesse com as situações de dependência do mesmo rendimento por ascendentes e com os casos de dependentes com deficiência ou doenças crónicas.

Outra medida importante é o alargamento do âmbito dos Vales sociais de educação, que consubstancia o apoio do Estado às despesas com educação das famílias com filhos, respeitando a sua liberdade. No entanto, é desejável estender a idade limite, para facilitar o acesso ao ensino superior, e abranger outras categorias de despesas relacionadas com a educação e sustento dos filhos.

Anexo: Parecer da APFN sobre o anteprojeto da reforma do IRS

APFN - Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Lisboa, 12 de Setembro de 2014

Rua José Calheiros,15
1400-229 Lisboa

Tel: 217 552 603 - 919 877 902 - 917 219 197
Fax: 217 552 604

 

O acesso a esta notícia está disponível apenas a sócios.

Faça o login em: Área reservada

Caso não seja sócio e pretenda informação sobre esta notícia indique o seu email: