Português | English
ELFAC - European Large Families Confederation Junte-se a nós no facebook Envie-nos um email
 
A ASSOCIAÇÃO
ASSOCIAR-SE
FAQ'S
CONTACTOS
LINKS
ÁREA DE SÓCIOS
ÁREA DE EMPRESAS
RECOMENDAR A APFN
BOLETIM
Desejo receber a Newsletter da APFN no meu endereço de email:

European

Large Families

Confederation


 

Plano + Família
APFN, Mensagem "Dia Internacional da Família" publicado a 14/05/2011

logotipo APFN

Mensagem

Dia Internacional da Família

 

Em tempo já não de vacas magras, mas da sua ausência e por isso, de afundamento total, como aquele a que hoje nos conduziram circunstâncias profundamente adversas, a nível internacional, mas também, e sobretudo, no nosso Portugal, resultantes da falta de cabeça, de verdade e de sentido de serviço ao bem comum, dos nossos governantes, a celebração do Dia Internacional da Família é propícia a uma reflexão diferente.

 
Forçosamente nos deverá levar a pensar como cidadãos, no que devemos fazer nas próximas eleições, para não voltarmos a entregar o país de mão beijada nas mãos de irresponsáveis que não merecem governar e que deixaram os cofres do estado e as famílias em tão lamentável estado. 
Sabemos que a dívida pública subiu de 53% do PIB em 2000 para cerca de 67% em 2005, chegando agora, a ultrapassar, segundo se diz, os 90%! Sem dinheiro para pagar salários, sem cabeça para planear, sem idoneidade moral para impôr sacrifícios, sem hábitos de poupança, sem uma cultura de esforço, e cheios de vícios, os nossos governantes tornaram-nos motivo de escárnio lá fora, precisando agora de estender a mão à Troika estrangeira e aceitar, incondicionalmente, as instruções e reformas que acompanham os empréstimos de que precisamos, como de pão para a boca. Em tudo isto, o mínimo que se poderia pedir aos responsáveis seria menos palavras, mais humildade e assunção de culpas, mas não é isso que vemos.

Nesta data porém, a APFN convida-vos sobretudo a olhar para as nossas famílias e analisar o panorama em que vivemos, de uma perspectiva não exclusivamente economicista.

 
Na verdade, são cada vez menos os casamentos, menos as crianças, e cada vez mais os divórcios e as uniões de facto. Vale a pena por isso, compreender algumas das causas e tentar melhorar de algum modo, cada um no seu pequeno metro quadrado...
 
Os laços afectivos são cada vez mais ténues e efémeros; o respeito pela vida transformou-se em indiferença e desprezo, com um número assustador de abortos cometidos com a facilidade e inconsciência de quem bebe um copo de água; medo de assumir compromissos familiares; objectivos profissionais inconciliáveis com a dedicação a uma família; falta de políticas de família, relativismo total, ambições materiais desmedidas, tentativas infrutíferas de combinar afectos e interesses, ?dos meus, dos teus e dos nossos?, perda de resiliência ante a dor, a incapacidade física ou mental, o envelhecimento e o insucesso; egoísmo gritante, conflitualidade crescente, violência doméstica, falta de comunicação, solidão, sofrimento por perda de sentido da vida, perda de valores e falta de discernimento na distinção entre importante, prioritário e secundário; desrespeito na escola e falência de uma filosofia educativa que fala tanto em educação para a cidadania, mas que tantas vezes desaproveita, esquece e atropela os valores que alguns pais ainda se esforçam por viver e transmitir aos filhos...
 
Estudos sem sucesso, abandono escolar, falta de competência e rigor nos diplomas alcançados, falta de integridade e honestidade, falta de estruturas familiares que ofereçam às crianças e jovens, os cuidados, a estabilidade afectiva, as exigências e educação que necessitam... permissividade, conteúdo amoral que a maioria dos filmes e novelas oferecem como diversão e exemplo... aumento das doenças mentais, droga, alcoolismo e criminalidade, prisões cheias...
 
Faz-nos falta voltar a ver a família que resulta da aliança de amor entre um homem e uma mulher e com os seus filhos, como o coração do mundo e ? a mais pequena democracia no coração da sociedade?.
Faz-nos falta em cada família voltar aos pequenos gestos que ajudam a purificar, reunir, perdoar, refazer, distribuir, partilhar, conciliar, dar coesão, conviver, ensinar solidariedade, respeito e espírito de pertença e de serviço, resiliência, capacidade de adaptação e a alegria das coisas simples e pequenas...
É hora de reformas e de regresso às origens. Perceber que na Família ? último reduto em que encontraremos forças para sobreviver a qualquer crise! -  o maior investimento está no carinho, na compreensão, perdão, entreajuda e no tempo que damos uns aos outros.
 
Recordemos as sábias palavras de João Paulo II: ? Família torna-te aquilo que és!?- uma comunidade de vida e de amor...
 
Um bom dia da Família!


Lisboa, 14 de Maio de 2011

APFN - Associação Portuguesa de Famílias Numerosas
Rua José Calheiros,15
1400-229 Lisboa

Tel: 217 552 603 - 919 877 902 - 917 219 197
Fax: 217 552 604