Diário de Notícias - 28 Jan 03

Demissão
Francisco Sarsfield Cabral 

As décadas de censura que sofremos até ao 25 de Abril deixaram uma pesada herança de equívocos. Qualquer um a quem não seja permitido escrever num jornal tudo o que lhe apetecer vem bramar contra a nova censura. O
espantalho da censura é invocado quando surge a menor hipótese de colocar limites ao vale-tudo para captar audiências na televisão. Na Internet é a bandalheira, como mostra Clara Ferreira Alves a propósito de um site sinistro (Diário Digital do dia 21). Falando do espectáculo do crime para exibição pública e «voyeurística», escreve Clara: «Nestas coisas sou a favor, inteiramente, da censura. Mais, da sanção e da punição».

Eu não lhe chamaria censura, mas respeito pela lei. Por exemplo, pelo art.º 21.º da Lei da TV, que proíbe programas que atentem contra a dignidade da pessoa humana. Mas os políticos têm medo das televisões, das quais julgam (erradamente) depender o voto dos eleitores. Por isso tem o Estado assistido passivamente à abjecção crescente de alguns programas televisivos em sinal aberto. Não faltará muito para vermos no pequeno ecrã violações em directo ou até alguns assassinatos. Programas de audiência garantida, como era a queima pública dos hereges pela Inquisição. E, dirão os senhores da TV, seria antidemocrático ir contra os gostos da maioria...

Perante a nova vaga de reality shows, o Governo apelou à Alta Autoridade para a Comunicação Social, cuja incapacidade para assegurar um mínimo de ética na televisão tem sido notória. Talvez sejam precisas novas entidades e novas regras. Mas o que mais falta ao Estado é coragem para deixar de se demitir. Sem ela, a polémica serve apenas para aumentar as audiências dos programas em causa, deixando felizes as televisões.
 

[anterior]