Ecclesia - 14 Mai 03

Dia Internacional da Família
Comunicado da Associação Famílias

Atenta à realidade que caracteriza a sociedade portuguesa mas independente dos diferentes sectores políticos partidários, a Associação Famílias, desde a sua fundação que vem tomando posição face às diferentes decisões políticas com incidência na vida familiar que se vão assumindo em Portugal. Umas vezes alertando para os perigos iminentes que ameaçam o direito à vida ou os direitos fundamentais de Família. Outras vezes denunciando as agressões legais que atentam contra a estabilidade da Família, outras os direitos dos Pais em áreas tão fundamentais como a educação dos filhos ou quanto aos diferentes tipos de precariedade laboral que ameaçam as famílias. A Associação Famílias não pretende ser, nem tem sido, uma voz demolidora das decisões políticas. Não estamos contra. Estamos a favor das famílias. Todas. Na aprovação de leis, medidas ou projectos que favoreçam, promovam e apoiem os direitos da Família. Acabamos de tomar conhecimento que o actual Governo decidiu implementar algumas políticas pró-Família, nomeadamente discriminando positivamente as que, por várias razões, correm sérios riscos de exclusão social ou têm dificuldade acrescidas, nomeadamente, na inserção e no sucesso escolares dos filhos. Pensamos que estas últimas medidas, ao reconhecerem o papel insubstituível da Família apoiando de forma justa e solidariamente equilibrada as famílias mais vulneráveis e deprimidas economicamente, são de saudar.
Aproveitamos esta oportunidade para voltar a recordar aos diferentes decisores políticos que aguardamos novas medidas mais ousadas na área das politicas familiares, concretamente, gostaríamos de ver reconhecido, de facto, o direito inalienável dos pais a poderem escolher o tipo de educação para os seus filhos, em total liberdade e igualdade.
Ao aproximar-se o DIA INTERNACIONAL DA FAMÍLIA, 15 de Maio, a Associação Famílias fica na expectativa de que naquele dia sejam anunciadas mais medidas promotoras da qualidade de vida das famílias portuguesas. A todos os decisores políticos queremos deixar o pedido seguinte: Ousem, sem medos, promover a "célula base da sociedade". Tomem medidas e decisões proactivas na área da Família. Não receiem defender a Família, comunidade de vida e de amor que desde o início da humanidade se fundou na heterossexualidade, é berço da vida e escola de sociabilidade. Nele reside e por ela passa o futuro da humanidade.

Braga.2003.Maio
 

[anterior]