Público - 20 Mai 03

Inquérito de Santarém Já Concluído
Por B.W.

O inquérito que a Escola Superior Agrária de Santarém (ESAS) instaurou, em resultado das queixas da aluna que diz ter sido vítima de uma praxe violenta, já está concluído. "As responsabilidades foram apuradas. O inquérito foi remetido para o Instituto Politécnico de Santarém, a quem cabe enquadrar disciplinarmente ou arquivar", adianta o presidente da instituição, Soares da Cruz. Falta concluir o inquérito instaurado pelo politécnico, para que a Inspecção-Geral de Educação possa intervir.

Segundo o presidente da ESAS, o processo foi enviado há já duas semanas para o presidente do politécnico, e será analisado pela comissão disciplinar do conselho permanente da instituição. Resta esperar pela decisão. Soares da Cruz desconhece quando é que a comissão, constituída por professores e alunos, vai reunir, mas espera que a decisão seja conhecida "o mais célere possível". "Também gostava de saber o que se passou", afirma, evitando responder à pergunta sobre a que conclusões a escola chegou quanto a este caso.

Soares da Cruz nega que a aluna de 22 anos, do 1º ano do curso de Engenharia Agro-Alimentar, seja vítima de qualquer segregação no interior da escola. "Nada, zero. Mesmo quem quisesse ser hostil, teria de se haver comigo. As pessoas já nem sequer se lembram", reage, acrescentando que "já houve colegas que me disseram que ela andava por aí [na escola]".

Numa carta enviada no final da semana ao ministro da Ciência e do Ensino Superior, a estudante alega que tem sido vítima de um "clima insuportável de ameaça e segregação". Por isso, exige ser transferida de escola. O ministério já reagiu e declarou que não coloca entraves à sua mudança, desde que seja acordada entre a estudante e a instituição para onde pretende mudar.

O presidente da escola agrária diz que desconhece a carta, mas confirma os procedimentos sugeridos pela tutela e acrescenta que assim que alguma escola pedir o processo desta estudante, este será entregue.

[anterior]