Português | English
ELFAC - European Large Families Confederation Junte-se a nós no facebook Envie-nos um email
 
A ASSOCIAÇÃO
ASSOCIAR-SE
FAQ'S
CONTACTOS
LINKS
ÁREA DE SÓCIOS
ÁREA DE EMPRESAS
RECOMENDAR A APFN
BOLETIM
Desejo receber a Newsletter da APFN no meu endereço de email:

European

Large Families

Confederation


 

Plano + Família
European Youth Workshop - Varsóvia recebe encontro de jovens para discutir a Família publicado a 08/11/2017

Conheça o testemunho da Beatriz Camelo, jovem portuguesa de 20 anos, participante no 4º encontro do Workshop Europeu para a Juventude, em Varsóvia. 

"Do dia 26 a 29 de outubro de 2017, a Confederação das Organizações Familiares na Bacia dos Cárpatos organizou, pela quarta vez, o workshop europeu da juventude , desta vez em Varsóvia, contando com o apoio da associação de famílias numerosas polaca.              

Este fórum teve como objetivo reunir jovens de diferentes nacionalidades, da geração dos 20, maioritariamente membros de famílias numerosas, para que estes partilhassem ideias, vivências, pensamentos e reflexões, problemas e soluções acerca do tema: Família.              

Embora todos europeus, era evidente que as educações e mentalidades variavam muito consoante o país de origem. Tal diversidade tornou o workshop bastante interessante e produtivo. Surgindo a oportunidade de dois participantes apresentarem as conclusões no parlamento europeu no dia 5 de dezembro e desta forma chegarem aos vários países e provocarem, quem sabe, mudança.

Tendo a conferência no Senado Polaco com titulo “A família de hoje, estruturas, valores e mudança” como input, várias questões foram debatidas posteriormente. Tais como: será mais vantajoso começar uma família cedo ou tarde na vida? Qual a minha família ideal? O que faria de diferente dos meus pais? Porque razão os jovens cada vez se casam menos? Porque razão a taxa de natalidade está a diminuir? Que medida pode o estado tomar para incentivar o casamento e a formação de famílias? Que apoios as famílias numerosas necessitam? Como tornar a instituição da família moda de novo?

Em pequenos grupos estes tópicos foram discutidos e as conclusões a que chegadas foram as seguintes:

A nível social, deve ser reforçado que a família é a principal fonte de educação e de transmissão de valores e, tal instituição deveria estar mais presente nos motores de influência social como o cinema, a literatura, a música e a publicidade. Mantendo, contudo, uma visão realista sobre o assunto. Quanto à desvalorização do casamento, pensa-se que deveria haver politicas que incentivassem ao casamento e não o oposto.

A nível parental, pensa-se que as mães deveriam ter um horário de trabalho mais flexível e compreensivo às necessidades da família, para além de terem direito a mais tempo que férias. Deveria, se necessário, haver o estatuto de mãe/pai- estudante, para que seja possível estes frequentarem a faculdade e completarem os estudos, se necessário. Em alguns países já foi instituído um sistema de enfermagem familiar, que pode tanto consistir numa associação onde as mães se ajudam umas às outras com apoio de enfermeiras, ou haver uma associação de enfermagem que preste apoio ao domicilio a bebés recém-nascidos. (nursery sistem/ family nursery). Por último neste departamento, foi sugerida a obrigatoriedade da utilização da licença de paternidade e uma revisão no tempo da licença de maternidade. (curiosidade: esta varia muito consoante os países, na Hungria pode chegar até 3 anos).

Em último lugar, a nível financeiro, pensou-se que para famílias numerosas, os impostos deveriam ser reduzidos no geral, mas principalmente na compra do carro e na casa de família. Além disso, refletiu-se na necessidade de ajuda financeira direta, como acontece na Polónia, e indireta a partir do segundo filho, ou seja, através de oferta de oportunidades, por exemplo: bolsas de estudo na faculdade.

Em conclusão: pessoalmente, participar no workshop foi uma experiência incrível. Ainda que tenha ido sozinha, nunca me senti dessa forma. As pessoas foram todas muito recetivas e amigáveis e rapidamente já nos conhecíamos uns aos outros. As diferenças culturais eram evidentes e esse “choque cultural” tornou esta experiência muito mais significativa, despertando conversas que nunca mais acabavam e troca de ideias interessantíssimas. Além disso, acho essenciais estas iniciativas, dando voz aos jovens de hoje e a oportunidade de analisarem o seu presente e prepararem o seu futuro."